Quanto os pais vão gastar com esse bebê até a pós graduação

Já não se cria um filho como antigamente. A emoção, claro, é a mesma desde sempre. As preocupações, contudo, hoje são bem diversas. Entre todas as inseguranças dos pais em relação aos pequenos, uma delas ganhou lugar de destaque: os gastos com educação. Há poucos anos, a escola nem mesmo entrava na lista de desembolso. O Brasil tinha bons colégios públicos, e a escola não fazia parte do orçamento familiar. Isso mudou, e muito. O presente e o futuro de Luís Eduardo, o Dudu, de 10 meses, o garoto da foto ao lado, ajudam a entender a equação.

Seus pais deixarão cerca de R$ 264 mil nos caixas das instituições de ensino do maternal até a pós-graduação do pimpolho. Caro? Muito. Então, para conseguir cumprir essa missão, é fundamental elaborar um eficiente planejamento financeiro. Trata- se, portanto, de diluir essa despesa ao longo do crescimento dos filhos. É a melhor maneira de garantir todos os diplomas da prole, sem levar sustos. O segredo básico: começar a poupar o quanto antes, ainda na infância. E tem mais – é preciso disciplina. “Em outros tempos, os pais começavam a pensar nos estudos apenas com os filhos já adolescentes”, diz Jorge Nasser, diretor do Bradesco Previdência. “Hoje, as crianças já saem do berçário com o investimento desenhado.”

O casal João Francisco Viseu de Barros e Giselle Sabatini de Barros, os pais de Dudu, seguiram à risca essa lição. Fizeram um plano de previdência, o Prever do Unibanco, para começar a poupar para os estudos do filho. Iniciaram as aplicações quando a criança tinha apenas quatro meses de vida. Depositam R$ 60 todos os meses. Misturam renda fixa e seguro de vida. Em datas comemorativas, como o Dia das Crianças e o aniversário, a poupança do filho é turbinada. Os depósitos mensais chegam a triplicar. “Quero dar ao Dudu, a possibilidade de estudar em boas escolas, faculdade e ainda cursar uma MBA”, diz Viseu. Com essa estratégia financeira, Viseu pretende acumular, no mínimo, R$ 40 mil até o filho completar 18 anos. Assim, terá uma boa parte dos recursos necessários para a graduação.

Há, entre os pais, uma predileção: os planos de previdência privada. A engenheira Mara Regina Ignácio, mãe de três adolescentes, já utiliza os benefícios fiscais desse tipo de produto financeiro. Por meio da corretora Estar Seguro, Mara paga R$ 127 por mês para cada uma das filhas. A meta é bancar os estudos, mas a aplicação, no futuro, também pode ser destinada a aposentadoria das mocinhas. Caso não precise fazer saques, o patrimônio vira um seguro de previdência. Assim como o plano escolhido por Mara, existem diversos produtos desse modelo no mercado. A maioria se difere apenas entre os formatos classificados como PGBL (Plano Gerador de Benefícios Livre) e VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livre). No primeiro, você pode abater até 12% da renda bruta anual do imposto renda. O VGBL não tem a dedução fiscal.

Os planos de previdência são campeões de preferência porque, além dos incentivos tributários, têm valor mínimo de aplicação reduzido. Em média, com R$ 50 mensais é possível adquirir o produto. No Banco Itáu, por exemplo, 50% dos fundos estão em nome de crianças. São cerca de 70 mil jovens. Entre os clientes, Túlio Canonico, de 41 anos, utiliza o First Flexprev para assegurar a educação de sua filha Juliana, de dois anos. Ele aplica R$ 200 mensais. “É uma questão de precaução”, diz Canonico. “Afinal, quando ela estiver entrando na faculdade, eu já vou estar me aposentando.” Existem várias outras formas de planejar a educação. Hoje, os bancos e corretoras oferecem ainda fundos, clube de ações, títulos públicos e seguros que têm como objetivo final fazer caixa para bancar a faculdade. “Todos as poupanças são muito saudáveis. É só saber escolher o que se encaixa mais com seu perfil”, diz a consultora Cássia D\’Aquino. O principal requisito é ser fiel ao investimento. “Não vale sacar ou deixar de aplicar o dinheiro na primeira dificuldade financeira”, completa.

Ousadia. Para aqueles que não temem o risco do mercado acionário, é possível investir em ações. Há cinco anos, a corretora Coinvalores lançou o fundo Kids. A aplicação mínima é de R$ 500 e as movimentações são a partir de R$ 100. A taxa de administração é de 0,5% ao ano. O produto é exclusivo para menores de 18 anos. Quando os filhos atingem a maior idade podem sacar a grana. “É uma forma de diversificar as economias”, afirma Paulino Botelho, diretor da Coinvalores. Para aqueles que querem montar a própria carteira, os analistas sugerem papéis de companhias pagadoras de dividendos como a Souza Cruz e Vale do Rio Doce. Entre as alternativas para a realizar a poupança acadêmica, o consultor de finanças pessoais Mauro Halfeld sugere ainda a compra direta de títulos da dívida do Tesouro Nacional. A aquisição pode ser feita pela internet. A aplicação oferece ganhos de aproximadamente 10% ao ano. No entanto, saiba que até mesmo a tradicional caderneta de poupança, o porto seguro das finanças, pode ser uma boa aliada para juntar o dinheiro educacional. Logo depois do nascimento, Beatriz Ribeiro Santos ganhou de presente um extrato dessa aplicação. Seus pais, Mário Ivan Santos e Lucélia Helena Ribeiro, têm motivos de sobra para se preocuparem com a filha. Beatriz, de cinco anos, é portadora de uma doença auditiva,

o que pode futuramente requerer um colégio especial, logo, mais caro. Ivan começou reservando R$ 300 mês a mês. Quando, acumulou cerca de R$ 4 mil transferiu o dinheiro para um fundo de investimento em renda fixa do BankBoston. O objetivo é melhorar a rentabilidade. Atualmente, o ganho gira em torno de 1,8% ao mês, contra cerca de 0,7% da poupança. Com essa fórmula de investimentos diversificados, durante aproximadamente quatro anos, ele conseguiu poupar R$ 21 mil. O recurso já seria suficiente para pagar, por exemplo um ano do curso de graduação desejado pela Beatriz, Medicina Veterinária. Mas ele não parou, continua intercalando as aplicações. Começa na poupança, acumula R$ 4 mil de patrimônio e passa tudo para o fundo. “É fundamental para um pai que deseja o melhor para sua filha, protegê-la e garantir seu futuro acima de tudo”, conclui Ivan.

Truques básicos:

* Comece a aplicar o quanto antes, o retorno é de longo prazo
* Tenha disciplina e não deixe de manter os investimentos mensais
* Não saque o dinheiro na primeira dificuldade financeira
* Não se iluda. Escolha o produto mais adequado ao orçamento familiar

Autor: Carol Carloni

Desenvolvimento pré-natal

Concepção e Desenvolvimento Embrionário

O primeiro passo no desenvolvimento de um ser humano singular é, obviamente, a concepção – o momento em que um único espermatozóide do homem atravessa a parede do óvulo proveniente da mulher. É claro que a concepção não ocorre a qualquer momento. O óvulo precisa estar numa posição onde possa ser alcançado pelo espermatozóide, e isto ocorre num breve período durante cada ciclo menstrual. Em geral uma mulher produz um óvulo por mês, a partir de um dos dois ovários (embora algumas mulheres, naturalmente ou em função de drogas para fertilidade, produzam mais do que um óvulo por mês e, assim, possam conceber mais do que uma criança por vez). O óvulo viaja do ovário, caindo pela trompa de Falópio dentro do útero e, algumas vezes durante a jornada, se a mulher teve um intercurso recentemente, um espermatozóide pode alcançar o óvulo e atravessar a parede externa da célula: uma criança foi concebida. Se a concepção não ocorrer, o óvulo desintegra-se no útero em poucos dias e assim, não há possibilidade de concepção até a próxima ovulação.

Se a concepção ocorreu, os 23 cromossomos da célula espermática e os 23 cromossomos do óvulo combinam-se para produzir os 23 pares de cromossomos que irão orientar o desenvolvimento de uma única criança.

Em torno do embrião está uma série de membranas, dentro das quais há uma substância líquida (líquido amniótico). A placenta é um órgão básico que separa a corrente sangüínea da criança e da mãe, através da qual passam as substâncias nutritivas para a criança em desenvolvimento. O embrião, é ligado a placenta por meio do cordão umbilical, no qual há duas artérias e uma veia, que levam e trazem o sangue do embrião, via placenta. A corrente sangüínea da mãe também é aberta para a placenta, mas entre o sangue da mãe e o do embrião há membranas que servem como tipos de filtros, prevenindo a passagem de muitas substâncias potencialmente prejudicais como, por exemplo, viroses. Os componentes importantes do sangue da mãe como proteínas, açúcares e vitaminas passam através da membrana para a corrente sangüínea da criança, da mesma forma que certas drogas (álcool, nicotina, etc.).

A criança em desenvolvimento continua a ser denominada embrião, até cerca de 8 ou 10 semanas após a concepção. O crescimento durante o período embrionário é extremamente rápido, com rápidas divisões celulares e diferenciação de funções entre as células desenvolvidas.

Período Fetal

Começando por volta do terceiro mês de gravidez, o embrião torna-se feto e permanece por todo o período pré-natal restante. Durante o período embrionário aparecem, virtualmente, todos os principais sistemas de órgãos, além de todas as outras principais partes do corpo e dos rudimentos de músculos e nervos. Os 7 meses restantes envolvem, um processo de refinamento e aperfeiçoamento do que já foi desenvolvido.

Primeiro mês

O embrião já está formado e, embora ele ainda seja minúsculo (mais ou menos do tamanho de um grão de arroz), já existe uma outra vida em você! Daqui a bem pouco, não mais que duas semanas, começarão a se formar o tubo neural (centro nervoso mais tarde transformado no encéfalo e na medula espinhal), o coração, o tubo digestivo, os órgãos dos sentidos e as extremidades (futuros bracinhos e perninhas).

Segundo mês

Agora seu embrião já está mais crescido: de sua cabecinha às nádegas ele mede cerca de três centímetros e seu peso é de aproximadamente seis gramas. O seu coração já está batendo mas não dá para escutar ainda! Seus braços e pernas têm um aspecto mais definido e já apresenta um esboço das mãos e dos pés.

Terceiro mês

Os órgãos reprodutores do seu bebê já estão formados. Será menino ou menina? Você terá de esperar mais um tempo para saber, porque ainda não dá para distinguir com precisão. Os rins, as pálpebras e os olhos já se formaram também, os dentes e as cordas vocais estão sendo desenvolvidos e agora ele é um feto. Está medindo entre seis a oito centímetros e pesando cerca de 14 gramas.

Outros órgãos estão se desenvolvendo, o aparelho circulatório e urinário já funcionam e o fígado já produz bile. Seu coração já pode ser ouvido através de um aparelho chamado sonar e ele já brinca dentro de você, exercitando-se no útero e “nadando” no líquido amniótico (para desenvolver seus músculos). Agora, o seu bebê já está bem alojado na parte superior do útero e dentro de uma bolsa cheia de líqüido amniótico (a chamada “bolsa d’água”).

Este líquido o protege de traumas ou infecções e é constantemente renovado pelo organismo materno, para estar sempre limpo. Ele se renova a cada seis horas e no final da gravidez sua quantidade pode atingir um litro. O líqüido amniótico contém proteína, açúcar, estrogênio, progesterona, prostaglandina, células fetais e outros elementos químicos presentes no organismo da mãe.

Quarto Mês

Seu bebê já está com mais ou menos dez centímetros, pesa cerca de 60 gramas e está sendo nutrido pela placenta, já totalmente formada.

O ritmo de crescimento de seu corpo começa a ser maior que o da cabeça. Os brotos ou germes dentários já estão se formando, assim como os dedinhos das mãos e dos pés já estão bem definidos.
Ele já se diverte dando cambalhotas, embora você ainda não perceba que isto acontece.

Ele vira a cabeça, abre e fecha a boca, movimenta o peito para cima e para baixo como se estivesse respirando, boceja e se estica. Consegue franzir a testa e já faz trejeitos como se estivesse querendo levantar as sobrancelhas.

A PLACENTA

Por volta do terceiro mês a placenta está totalmente formada. A partir daí se desenvolve junto com o feto até a hora do parto, chegando a medir 20 centímetros de diâmetro com 3 centímetros de espessura e pesando cerca de 500 a 700 gramas (1/6 do peso do bebê).

Ela é uma formação de tecidos, semelhante a um pequeno fígado e fica aderida ao útero. A placenta mantém a circulação do feto e tem a função de realizar as trocas respiratórias, absorver nutrientes e excretar, atuando também como barreira contra algumas infecções.

Ela também é responsável pela produção de hormônios na gravidez (progesterona e estrogênios). Enquanto a produção destes hormônios estiver aumentada, a menstruação continua a ser inibida.
No começo da gravidez a placenta também provoca o aumento de produção de um hormônio chamado GCH (gonadotropina coriônica humana), que é em parte o grande responsável pelos enjôos ou “náuseas matinais” (que têm este nome mas podem ocorrer a qualquer hora do dia).

A partir do quarto mês a liberação deste hormônio diminui e os enjôos e náuseas cessam ou amenizam. O bebê está unido à placenta através do cordão umbilical e qualquer substância que esteja correndo em seu sangue, estará correndo também no sangue de seu filho, pois a placenta não é um filtro de todas as impurezas.

O cordão umbilical do bebê é constituído por três vasos sangüíneos entrelaçados, sendo duas veias que levam o sangue limpo e oxigenado da placenta para o bebê e um terceiro que conduz o sangue venoso de volta para a placenta. O feto possui o seu sistema circulatório único, só dele. Nunca o sangue da mãe se mistura com o do bebê.

Quinto Mês

Seus movimentos agora já podem ser sentidos por você, pois ele começa a se movimentar e a brincar mais, girando, se enrolando, pulando e dando cambalhotas (uns bebês são mais ativos do que outros e isto varia de criança para criança).

A parede do seu útero já está mais elástica e isto permite que ele apoie os pés e a cabeça e faça ginástica como ninguém, exercitando os seus pequenos músculos. Como ele está crescendo e ainda existe muito espaço por ocupar, ele aproveita, em geral se movimentando mais à noite, exatamente quando você está em repouso.

Neste período ele já chupa o dedo, num exercício básico para a sucção que o permite treinar para sua futura alimentação. Também neste mês o seu coração já pode ser ouvido e ele executa os movimentos respiratórios (embora não respire ar dentro do útero), já treinando para quando nascer.
Seu corpo está sendo recoberto por uma penugem fina e macia, chamada lanugo. Os cabelos já começam a nascer e os cílios e sobrancelhas estão se formando. Por volta deste mês também começa a se formar a vernix caseosa, uma camada gordurosa fina e protetora que o reveste inteirinho.

Sexto Mês

No final do sexto mês seu bebê já está com aproximadamente 30 centímetros de comprimento e pesa 850 gramas. Sua pele está fina e brilhante, embora vermelha e enrugada, sem apresentar gorduras no tecido subcutâneo. Suas unhas já se formaram, ele abre e fecha as mãos e se movimenta bastante, mantendo os movimentos de sucção do polegar; as pálpebras já se dividiram e os olhos já conseguem se abrir.

E como seus olhos já podem se abrir, começa a perceber a claridade que ultrapassa a parede abdominal. Então, se você está no escuro, lá dentro para ele tudo é escuridão, mas se você estiver num ambiente mais iluminado ou com luz solar, ele poderá perceber uma luminosidade rosada vindo de fora.

OBSERVAÇÕES MUITO IMPORTANTES

Se você ingere muito álcool, ele diminuirá seu ritmo respiratório, porque o álcool debilita o sistema nervoso central que controla a respiração.

Se você fuma, seu bebê também ficará com deficiência de oxigênio, porque seus movimentos respiratórios também ficarão diminuídos.

O oxigênio na corrente sangüínea é diminuído tanto pelo álcool como pela nicotina e estes interferem no sono do bebê.

A cocaína atravessa a parede placentária, lesando-a, reduzindo o fluxo de sangue para o feto e retardando o seu crescimento.

Os bebês são como nós: há dias em que estão mais agitados, sentindo vontade de chutar, soltar os cotovelos e joelhos para todo canto, enquanto em outros dias estão mais calmos. Saiba que isto pode acontecer com o seu filho.

Os movimentos fetais são sentidos de acordo com a atividade da mãe. Se ela se ocupa e se movimenta bastante durante o dia, não conseguirá perceber bem quando o bebê está acordado ou não. Somente à noite ou pela manhã é que estará mais atenta à atividade do feto.
A atividade do bebê também aumenta depois que a mãe se alimenta. Algumas mães também já descobriram que, se estão muito nervosas ou excitadas, a movimentação do bebê também é maior. Isto talvez se deva ao aumento da adrenalina na circulação materna.

Os bebês são mais ativos entre a 24ª e a 28ª semana de gestação.

Não se esqueça: cada feto tem seu ritmo próprio de desenvolvimento e atividade. Então, desde que não haja redução radical ou desaparecimento do ritmo de atividade habitual do bebê, todas as variações são normais.

Se por acaso seu bebê está dando chutes dolorosos e socos incríveis, como se estivesse tendo um acesso de raiva, procure mudar a sua posição (deitada para sentada ou em pé para deitada) para conter este pequeno rebelde.

Há horas em que parece que todo um estádio de futebol está dentro da sua barriga, os dois times e mais a torcida, de tanta movimentação existente. Fique calma, pois por enquanto ele tem espaço e é bom que aproveite. Logo mais isto tenderá a diminuir, pois o tamanho de seu corpo irá aumentar e o espaço ficará restrito somente à área do gol.

Sétimo Mês

No final deste mês seu bebê suga com mais força o polegar, soluça, chora e já pode sentir um sabor amargo ou doce. Pode responder à estímulos como a luz, dor e sons.

A função da placenta começa a declinar e o volume do líquido amniótico principia a diminuir. Ele já pesa aproximadamente 1.500 gramas e mede 24 centímetros da cabeça às nádegas. Antes, os sons eram sentidos por ele sob a forma de pequenas vibrações; agora, seus terminais nervosos já estão mais desenvolvidos e ele consegue perceber bem melhor as coisas.

Como ele já está mais crescido, seus movimentos já não têm grande amplitude mas continuam – e como! Ele consegue, mamãe, ouvir os sons do seu aparelho digestivo, do seu coração bombeando o sangue e escuta o barulho dos pulmões quando o ar entra e sai deles para você respirar.

Se você está num lugar muito barulhento, seu bebê consegue sentir as vibrações vindas deste lugar. Quando você fala, ele já escuta o som da sua voz (o que leva seu pequeno coração a se acelerar), pois já está se acostumando com ela para reconhecê-la após o nascimento.

Converse com ele e, sempre que possível, ouça músicas suaves e calmas – ele irá ouvi-las também e gostar bastante!

Seu corpo ainda está recoberto pela vernix caseosa (como já vimos, a camada protetora que reveste o corpo do bebê até o parto) e isto pode bloquear um pouco a sua audição, embora ele possa escutar as mesmas músicas que você ouve.

Sua pele está mais translúcida e minúsculas veias já são visíveis através dela. Neste mês ele ainda pode estar sentado (posição pélvica), mas poderá virar, isto é, ficar de cabeça para baixo (posição cefálica) a qualquer momento.

Oitavo mês

No final deste mês, em geral o penúltimo de uma gestação normal, seu bebê está com aproximadamente 45 centímetros e pesa cerca de 2.500 gramas.

O crescimento do encéfalo é maior neste período, o que permite a ele ouvir e ver melhor. Neste mês seu bebê já deve estar de cabeça para baixo e talvez permaneça nesta posição até o momento do parto.

Muitos bebês ficam de cabeça para cima, na posição sentada (também chamada de posição pélvica), mas a maioria deles fica de cabeça para baixo, que é denominada posição cefálica. Mesmo se ele estiver na posição pélvica, quando há espaço (isto é, se o bebê não for muito grande), ele ainda terá tempo e espaço para virar.

Você já percebe neste período a posição de seu bebê: se ele está de cabeça para baixo, vai empurrar com os pés as suas costelas, mas se estiver de cabeça para cima é a sua cabeça que comprimirá suas costelas.

Não se assuste, tudo é suportável!!!

Quando ele se “encaixa” para o parto, fica na posição cefálica e a sua cabeça pressiona os músculos do assoalho pélvico, primeiro suavemente e depois com mais força (você verá detalhes de tudo isto no capítulo Mudanças no corpo da mãe). Como ele está maior agora, um simples movimento pode parecer um grande distúrbio.

Nono mês

Bem, até agora seu bebê esteve hospedado em sua barriga feliz e altamente protegido. Seus pulmões já estão amadurecidos e ele está pronto para nascer a qualquer hora. É só crescer mais um pouquinho e engordar alguns gramas para que seu sistema de regulação de temperatura – quente e frio – esteja pronto para enfrentar as mudanças que ocorrerão quando ele sair do seu útero.

A sua pele ainda continua com a vernix caseosa até o momento do nascimento. Suas unhas estão completamente formadas. Seu cordão umbilical é liso e escorregadio e mede cerca de 50 cm.
Ele está tranqüilo e curioso para conhecer sua mamãe por fora.

E você?

É só aguardar com calma: seu organismo (mãe) e o dele (bebê) é que decidirão o momento deste encontro e como ele se dará.

Participando de todas as atividades físicas propostas no Serviço Meu Bebê, você poderá recebê-lo com pouca dor, sem sustos e sem tensão ou medo mas com muita alegria para que ele seja bem-vindo!

Autor: Angélica Dornelles
Fundação Universitária de Rio Grande